Na carta, o Papa Francisco  expressou seu desejo de que os refugiados tenham sucesso nas Olimpíadas.

Da redação do Portal Canção Nova, com Rádio Vaticano

O Papa Francisco enviou uma Carta aos Membros da Equipe Olímpica de Refugiados que participam das Olimpíadas no Rio de Janeiro.

É a primeira vez que uma equipe de Refugiados disputa uma Olimpíada. A finalidade dessa participação especial nos Jogos é chamar a atenção do mundo esportivo para o problema dos refugiados.

O Santo Padre começou sua carta saudando cada um dos dez membros, citando seus nomes. A seguir, expressou seu desejo de que eles tenham sucesso nas Olimpíadas. E acrescentou: “Que a coragem e a força que trazem dentro de vocês possam transmitir, através dos Jogos Olímpicos, seu grito de fraternidade e de paz”.

O Pontífice completou ainda dizendo que através deles, a humanidade possa compreender que a paz é possível e que, por meio dela, tudo se pode ganhar; ao invés, com a guerra, tudo se pode perder!

Francisco concluiu sua breve missiva, escrita de próprio punho em espanhol, fazendo votos de que “o testemunho destes Refugiados possa fazer bem a todos”. E, ao se despedir fraternalmente, o Papa prometeu-lhes suas orações e, ao mesmo tempo, também pediu que rezassem por ele.

Equipe de atletas refugiados

A equipe de atletas refugiados vai disputar nas modalidades de atletismo, natação e judô. Na inauguração dos Jogos, no Estádio do Maracanã, na noite desta sexta-feira, 5, eles não se apresentaram com as bandeiras de seus países de origem, mas com a do Comitê Olímpico Internacional (COI).

O Ministério da Justiça e Cidadania (MJC) atua na proteção dos refugiados no País e apoia iniciativas de inclusão dessas pessoas. O relatório do Sistema de Refúgio Brasileiro, divulgado em maio, aponta a existência de 8.863 refugiados no Brasil, em 2016. Os dados são do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), ligado à Secretaria Nacional de Justiça e Cidadania.

Os dez integrantes da inédita Equipe Olímpica de Atletas Refugiados tiveram que deixar seus países devido às guerras e às crises humanitárias.

Atualmente, os dez Refugiados vivem no Brasil, Alemanha, Quênia, Luxemburgo e Bélgica. A equipe é composta por dois nadadores da Síria, dois judocas do Congo, um maratonista da Etiópia e cinco corredores do Sul do Sudão.

A Agência da ONU para Refugiados (Acnur) é parceira do Comitê Olímpico Internacional nesta iniciativa. A partir de uma solicitação do COI, a Acnur identificou refugiados em todo o mundo com experiência esportiva e encaminhou os nomes à instituição.

“A equipe levará o mundo a ter mais consciência da causa dos Refugiados, mostrando que todos podem contribuir para a sociedade”, foi o que afirmou o Presidente do COI, Thomas Bach, durante a sessão de apresentação da Equipe de Refugiados no Rio de Janeiro.

Estes atletas representam os mais de 60 milhões de refugiados no mundo inteiro e são incentivo para que continuem perseguindo seus objetivos, apesar das adversidades. (MT/Acnur)

Deixe sua mensagem para nós: