Segunda-feira da 23ª semana do Tempo Comum

Evangelho (Lc 6, 6-11)

Aconteceu num dia de sábado que, 
Jesus entrou na sinagoga, 
e começou a ensinar. 
Aí havia um homem cuja mão direita era seca. 

Os mestres da Lei e os fariseus o observavam, 
para verem se Jesus iria curá-lo em dia de sábado, 
e assim encontrarem motivo para acusá-lo. 
Jesus, porém, conhecendo seus pensamentos, 
disse ao homem da mão seca: 
‘Levanta-te, e fica aqui no meio.’ 
Ele se levantou, e ficou de pé. 
Disse-lhes Jesus: ‘Eu vos pergunto: 
O que é permitido fazer no sábado: o bem ou o mal, 
salvar uma vida ou deixar que se perca?’ 
10 Então Jesus olhou para todos os que estavam ao seu redor, 
e disse ao homem: ‘Estende a tua mão.’ 
O homem assim o fez e sua mão ficou curada. 
11 Eles ficaram com muita raiva, 
e começaram a discutir entre si 
sobre o que poderiam fazer contra Jesus. 

 

Reflexão:

Queridos irmãos,

O Evangelho de hoje nos coloca na perspectiva daquilo que é mais importante. Com o Evangelho podemos nos perguntar o que é mais importante, o homem ou a lei? Na cena bíblica narrada pelo evangelista Lucas, Jesus, estando na sinagoga em dia de sábado, cura um homem de mão seca que à Ele, como quase a última solução, recorre. É dia de sábado e segundo a lei judaica é proibido curar neste dia.

Jesus, no sinal profético de colocar no meio o homem, quase como que dizendo que o homem é o mais importante, a lei deve estar a “serviço” do homem, nos ensina o importante processo de discernimento e de escuta que nos faz optar pelo mais importante, deixando de lado o que é secundário.

Assim devemos agir também nas nossas pastorais e movimentos, na comunidade de fé. A pessoa humana é o centro de toda e qualquer atividade missionária da Igreja. Assim quis Deus, assim devemos agir. Que Deus nos dê a graça necessária para viver de tal modo que nas minhas escolhas a pessoa humana, em toda sua inteireza, tenha primazia e dignidade. Assim seja. Amém.

Leandro Francisco da Silva

Pós-noviço salesiano

leandrofsdb@yahoo.com.br

Deixe sua mensagem para nós: