Durante 24 dias, de 2 a 25 de julho, o padre Isley Queiroz, diretor da comunidade do Centro Salesiano de Formação (CESAF), e o assistente Wellington Abreu tiveram a missão de fazer uma peregrinação por 1.265,5 km de Manaus a Porto Velho com o objetivo de apresentar a oito pré-noviços a realidade de uma área conhecida como AROMA, que faz parte dos trabalhos realizados pela Inspetoria Salesiana Missionária da Amazônia no estado de Rondônia e no Rio Madeira.

A primeira etapa da peregrinação, que durou 40 horas ou 460,8 km de barco pelos rios Solimões e Madeira, fez com que a Família Salesiana transformasse a viagem em momentos de fraternidade, junto com outros passageiros de diferentes religiões, como os 20 missionários da comunidade evangélica Testemunhas de Jeová, do sul do país, que participaram de momentos de união e fé, como na missa celebrada em Solenidade a São Pedro e São Paulo.

Após passarem pelas cidades de Nova Olinda do Norte, Borba e Novo Aripuanã, Manicoré os acolheu através do padre Felipe que os acompanhou junto às visitas à comunidade, que também recebeu a visita canônica de dom Francisco Merkel, bispo de Humaitá, que além dos seus trabalhos lá realizados participou da semana missionária. Os pré-noviços aproveitaram para conhecer os trabalhos realizados pelas irmãs salesianas (FMA) e ajudaram o irmão Antônio Stefanni no trabalho e manutenção do Centro Juvenil Salesiano.

A viagem prosseguiu no dia 10, quando após 455,2 km, ou 26 horas de barco, a comunidade do CESAF chegou a Princesinha do Madeira, como Humaitá é chamado. No município, os jovens conheceram a Catedral de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, construída por dom Miguel D´aversa, o primeiro inspetor da ISMA, e ex-bispo de Humaitá. Com o retorno das férias escolares, os peregrinos apresentaram as crianças e jovens um pouco da história da vida de Dom Bosco através de duas peças teatrais. Antes de prosseguirem viajem, rumo a Porto Velho, conheceram um pouco mais da história da presença salesiana no município e visitaram o jazigo dos salesianos falecidos.

Pontos turísticos

Os jovens pré-noviços não imaginavam que após 3 horas de viagem além de conhecer as obras salesianas (SDB e FMA) iriam imergir na história de Rondônia “Sou de Guajará Mirim e não conhecia a história tão a fundo de meu estado, cada ponto turístico nos remeteu as histórias antes lidas somente nos livros ou vista em filmes” disse o pré-noviço  Daniel Lucas que é natural do município de Guajará Mirim, RO. Os pontos turísticos que Daniel se referiu foram a Estrada de Ferro Madeira Mamoré, que já foi tema da minissérie global Mad Maria, as Três Caixas D´água, a Catedral do Sagrado Coração de Jesus, construída pelos salesianos, a Usina Hidrelétrica de Santo Antônio, que conta toda a história da antiga cidade de Santo Antônio do Madeira e ainda conserva a primeira igreja da região e os museus da história de Marechal Rondon e do estado de Rondônia.

Mas não só de cultura os pré-noviços se abasteceram, ao visitarem dom Antônio Possamai, salesiano e bispo Emérito de Ji-Paraná, que reside na antiga paróquia de São João Bosco, conheceram também um pouco de sua experiência como salesiano e como bispo. “Vale a pena ser salesiano e amar a juventude, envolvam os leigos em seus trabalhos pastorais, pois eles têm muito a colaborar”, disse dom Antônio que antes de ser bispo foi inspetor da Inspetoria Salesiana do Nordeste.

Para renovar as forças espirituais, o grupo do CESAF participou do retiro motivado pelo padre Ermelindo Vasquez, no dia 14, no Sitio Dom Bosco em Candeias do Jamari, onde funcionou o antigo noviciado salesiano. “Foi um aprendizado a partir da experiência partilhada por padre Ermelindo que enfatizou que os momentos de partilha dos irmãos salesianos dão grande entusiasmo na caminhada”, contou animado o pré-noviço Walter.

Última parada

A peregrinação tomou rumo a sua última parada no sábado, dia 16, quando o grupo partiu para a comunidade salesiana de Ji-Paraná, que fica a 370 km ou 7 horas de ônibus da capital Porto Velho. A acolhida do diretor-padre Alzimar Farias não os deixou pensar no cansaço da longa viagem, pois o mesmo adaptou a casa em prol do conforto e preparou dias maravilhosos de convivência fraterna junto à comunidade, como visita a pontos turísticos que não podia deixar de fora a Catedral de São João Bosco,  fundada pelo salesiano padre Adopho Roul, e a participação na animação da Semana de Colônia de Férias organizada pela obra social da Paróquia de São José e pelo Centro Educativo Dom Bosco, que é dirigido pelos salesianos, padre Gaudêncio e padre Bento.

A peregrinação em nenhum momento perdeu o ar familiar dos pré-noviços, pois sempre estiveram na companhia de algum familiar como o pai do padre Isley, que os acompanhou desde a partida de Manaus e sempre que podiam faziam uma parada para visitar os familiares de algum jovem do grupo como ocorreu em Manicoré com os familiares do pré-noviço Antônio Neto, do assistente Wellington Abreu, em Ji-Paraná, e com a família do pré-noviço Williansmar Rodrigues na cidade de Ouro Preto no percurso entre Ji-Paraná e Porto Velho. A participação nas atividades do Centro Salesiano do Menor atendendo aos adolescentes e jovens carentes marcou os últimos momentos antes do retorno a Manaus.

Experiência enriquecedora

No dia 26 a comunidade do CESAF concluiu a peregrinação retornando a Manaus, de avião, com a certeza da escolha da vocação certa a ser seguida “A acolhida dos irmãos salesianos e os momentos de convivência que os mesmos nos proporcionaram junto aos jovens nos fez sentir em casa e me fez ter um novo olhar sob os contextos da inspetoria. Com certeza foi uma experiência que dará bons frutos”, relembrou o pré-noviço noviço Williansmar Rodrigues.

Padre Isley voltou muito agradecido a ISMA pela oportunidade de levar a campo os jovens do CESAF “Sinto-me agradecido pela oportunidade de levar os pré-noviços a conhecer o trabalho diário dos salesianos, em algumas de nossas comunidades. Foi com certeza uma experiência muito enriquecedora para o meu ser salesiano e para meu ministério sacerdotal”, disse ele desejando um futuro promissor “Que o testemunho desta comunidade possa produzir muitos frutos por onde peregrinaram e o sentido de pertença pela inspetoria cresça cada vez mais no coração dos formandos, futuros salesianos da Amazônia”.

Escrito por  S. Welington Abreu, SDB

Fonte Internet: http://boletimsalesiano.org.br/index.php/noticias-bs/item/6914-peregrinacao-nas-obras-salesianas-de-rondonia-e-rio-madeira

 

Deixe sua mensagem para nós: