Sou Bruno Dias Assis Santos, tenho 28 anos, nascido em Dom Inocêncio-Piauí.

Profissão religiosa em 2018.
Profissão religiosa em 2018.

Desde os meus seis sete anos de idade, minha bisavó começou a me levar para a missa dominical e eu ficava encantado admirando o padre celebrar a missa, daí,  mesmo com a inocência de criança surgia o desejo de ser padre, quando alguém me perguntava o que ia ser quando crescer eu sempre dizia que ia ser padre, foi passando o tempo e eu curioso pra saber que gosto tinha a hóstia, busquei fazer a primeira eucaristia, posteriormente já adolescente buscando coisas novas, próprio da fase, acabei me afastando um pouco da igreja, cheguei até a dizer que não ia ser mais padre mas no fundo ainda tinha algo que me impulsionava a seguir o caminho do sacerdócio.

Profissão religiosa em 2018.
Profissão religiosa em 2018.

 Voltei a participar das missas dominicais novamente e comecei a fazer a preparação pra receber o crisma, e o desejo de ser padre foi ressurgindo novamente, no primeiro ano de catequese o bispo organizou uma romaria para o Círio de Nazaré em Belém-PA, então eu fui, e lá nós ficamos hospedados no Colégio Salesiano de Ananindeua, foi quando conheci os salesianos e pela primeira vez ouvi falar em Dom Bosco, porém, no momento o que mais me encantava era o Círio de Nazaré onde tive um momento ímpar, um verdadeiro encontro com Cristo através de Maria, no dia do Círio enquanto a berlinda passava com a imagem da Virgem Santa, eu senti algo inexplicável um sentimento que nunca tinha sentido. Voltei pra casa com uma inquietação que eu não sabia o que era, depois comecei pesquisar na internet quem eram os salesianos e quem era Dom Bosco, e vendo uma breve história, sem compreender muito, meio que me identifiquei com o carisma, mas não dei muita atenção, ia ser mesmo padre diocesano.    

Com os jovens no Oratório.

Em 2011, mudei pra cidade de São Raimundo Nonato sede da diocese, fui trabalhar com um primo, lá continuei participando das missas, no mesmo ano fui convidado a participar do EJC (Encontro de Jovens com Cristo), com o grupo me tornei mais ativo na paróquia, no mesmo ano teve o “bote fé”, a passagem pela diocese, da cruz peregrina da JMJ com o ícone de Nossa Senhora, foi um momento muito importante também na minha vocação, daí comecei a me preparar para a JMJ2013, fui a JMJ, foi outro grande momento na minha vocação, onde mais uma vez encontrei os salesianos, na feira vocacional, e no dia 28 de julho dia de meu aniversário na missa de envio com o Papa Francisco, eu dei o meu sim a Deus.

Acabou a jornada voltei pra casa, pesquisei mais sobre Dom Bosco e os salesianos, vi que realmente me identificava com o carisma, então entrei em contato com a Inspetoria, me encaminharam pra falar com o Pe. Carlos Junior o qual era responsável pela pastoral vocacional, fui muito difícil falar com ele sempre que eu ligava nunca dava certo falar com ele, já estava ficando desanimado, mas não desisti até que um dia consegui e ele me atendeu, até parecia que já nos conhecíamos, então começamos o acompanhamento virtual, devido a distância geográfica dos salesianos. Como ficava próximo da cidade de Petrolina-PE onde tenho uma irmã e primos que lá residem, pedi demissão do trabalho e fui morar com minha irmã, pois lá tem as salesianas as quais acompanhavam também os meninos vocacionados, queria algo mais de perto sempre fui muito ansioso, fiz um ano de acompanhamento com as irmãs, pessoalmente, e com Pe. Carlos Junior por e-mail, no ano seguinte ingressei no aspirantado, passei pelo processo formativo exigido, Aspirantado, pré-noviciado, noviciado e agora estou no pós-noviciado. Durante o processo de formação ao me aprofundar sobre a vocação do salesiano coadjutor, no noviciado decidi fazer a profissão religiosa como salesiano coadjutor, atualmente estou no terceiro ano do pós-noviciado.

Com meus irmãos Salesianos na Festa de São Luiz Gonzaga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *