Sexta-feira da 23ª semana do Tempo Comum – Nossa Senhora Das Dores

Evangelho (Jo 19, 25-27)

Naquele tempo:
25Perto da cruz de Jesus, estavam de pé
a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas,
e Maria Madalena.
26Jesus, ao ver sua mãe 
e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, 
disse à mãe:
“Mulher, este é o teu filho”.
27Depois disse ao discípulo:
“Esta é a tua mãe”. 
Daquela hora em diante, 
o discípulo a acolheu consigo.

Reflexão 

Queridos irmãos,

A liturgia desta sexta-feira, celebração de Nossa Senhora Das Dores, nos apresenta a figura de uma mãe – Maria – discípula fiel – perseverante, forte e humana.

Perseverante, pois permanece até o fim, segue a Jesus – seu filho – nas alegrias, nos momentos de glória e de festa e igualmente unida a Ele, permanece com Ele na cruz, no seu momento de maior dor e abandono.

Forte porque toda ela envolvida pela graça e pela esperança. Uma esperança sempre viva e fecunda. Maria é forte porque encontra em Deus, forte viva de toda forte esperança, seu ponto seguro, sua maior esperança.

Humana porque participa dos sofrimentos de seu filho Jesus. Maria aos pés da cruz quer significar, em última análise, as muitas mães que diariamente perdem seus filhos para o crime, as drogas, frutos de uma sociedade doente, porque injusta e desigual.

Que Maria nos dê a graça da fé, de uma fé viva e forte, capaz de compadecer-se e de indignar-se com tantas situações de morte. Não nos tornemos acostumados com a morte e a violência, nas suas mais diversas formas!

Leandro Francisco da Silva

Pós-noviço salesiano

leandrofsdb@yahoo.com.br

Deixe sua mensagem para nós: